sábado, 5 de outubro de 2013

Lenços para lágrimas da saudade - morretenses

LENÇOS PARA LÁGRIMAS DA SAUDADE.

PÁGINA DA SAUDADE!
Marcos Triaquim Malucelli
*21/11/1901 + 10/06/1988

21 de novembro - Dia do meu querido e saudoso avô Marcos Triaquim Malucelli, conhecido carinhosamente pelos morretenses como "seo" Marquinhos Triaquim.

Nascido em 21/11/1901, falecido em 10/06/1988.

Vô Marquinhos, meu eterno amigão!

A despedida foi repentina e sem volta. Hoje você está na companhia de Deus e vive em nossas lembranças com amor. A saudade maltrata, pois sua falta dói, apesar desta falta, sei que estás bem! Sei que você alcançou a paz eterna!

Tantas saudades de você meu avô, queria tanto que você estivesse aqui. Me perdoe, as vezes estou chorando lembrando de você, mais é que a dor da sua falta me fere. Vou sempre lembrar de todos os momentos em que passamos juntos, lembrar de cada detalhe, das missas aos domingos, das enchentes em Morretes, das nossas idas de bicicleta para a sua chácara no Sítio do Campo, das histórias que me contava, da expressão do seu olhar, do seu belo sorriso, como também da sua paciência comigo e com os meus amigos quando fazíamos reuniões em sua casa antes do futebol de pelada, antes das passeatas de carnaval e do retorno de bailes para tomarmos o seu café da madrugada, entre outros acontecimentos alegres ou não. Obrigado por tudo meu avô, pois sempre foi um homem bom e íntegro. 

Como eu podia imaginar que você ia embora? Mas tenho certeza que olha por mim e por toda a nossa família, que tanto lhe respeitou e que tinha o maior carinho pelo senhor.

Vô Marquinhos, te amei ontem, te amo hoje e te amarei eternamente!

Vô Marquinhos, descanse em paz!

Seu neto, Marcos Pereira.

21 de novembro de 2016.

_________________________________
_________________________________


Nesta página publico algumas fotos de amigos morretenses e morreteanos que nos deixaram, pois foram escolhidos para estarem junto ao nosso Pai Celestial Deus todo poderoso, privilegiados pela divina luz eterna. Amém!
______________________________________
______________________________________

Primeiramente vamos nos concentrar em  algumas mensagens confortantes em memória de nossos amigos e entes queridos...
______________________________________
______________________________________

Lenços para lágrimas da saudade...

"As pessoas que amamos não morrem jamais, apenas viajam na nossa frente…
Apenas compram uma passagem para um lugar bem longe… muito longe...
Só que tinham apenas o dinheiro da passagem de ida e, os que ficam, como não têm dinheiro para ir junto, vão ter que ficar, trabalhar, até juntar dinheiro e poder comprar a passagem e viajar…
Não importa o lugar onde está, vem um anjo e desliga o interruptor da vida, e essa pessoa tão especial dorme…
Quantas vezes a gente se perde olhando um carro na estrada, e o carro vai se distanciando e a gente continua olhando, e mais, e mais, até chegar um ponto que o carro some…
Nossos olhos não veem mais, porém, isso não significa que o carro parou de andar… Lá, ele continua andando em alguma estrada, em algum lugar, só que não mais ao alcance dos nossos olhos…
Pense nisso… em algum lugar, de alguma forma, já que na casa do Pai têm muitas moradas, essa pessoa tão especial vai estar dormindo ou prosseguindo sua trajetória.
Um dia você terá respostas para todas as perguntas que faz e ninguém te responde...
E mais, essa dor que ora todos sentem não é uma dor eterna… Deus é tão sábio e misericordioso que criou o tempo, e o tempo serve para muitas coisas, inclusive para ir amenizando e diminuindo a dor…
Não que essa pessoa será esquecida, porém a dor vai aliviando, aliviando até uma hora ela permanecer apenas nas suas lembranças, no seu pensamento, e aí, essa pessoa querida vai ter apenas um nome: SAUDADE.
Isso vai servir de lenço para secar as lágrimas quando elas insistirem em rolar.
Nada muda o rumo das coisas, porém essa mensagem talvez alivie um pouco da dor que é tão sentida no momento da partida.
Que Deus conforte o seu coração e seque as suas lágrimas…"

Autor: desconhecido.
__________________________________
__________________________________



SAUDADE
"Hoje o sol não brilhou…
Os pássaros não cantaram…
Os risos se calaram…
E as lágrimas rolaram em meu rosto…
Meu coração sofre em silêncio…
Hoje eu queria que essa verdade fosse mentira, que fosse um pesadelo e, que ao acordar encontraria o meu mundo normal.
Queria ter tido mais tempo para demonstrar os meus sentimentos por você.
Essa dor mais uma vez bate a minha porta, e o pior é que tenho a certeza de que não será a última vez.
Tenho que aprender a aceitar a morte como um fator natural do ciclo da vida, assim sofrerei menos.
Assim como o sol um dia volta a brilhar….
Os pássaros a cantar…
E as flores a florir…
As minhas lágrimas aos poucos cessam, a minha dor aos poucos se esvai e a minha alma se conforta.
Agora restam apenas lembranças.
Lembranças de um tempo bom que não volta mais.
Não voltam os risos trocados, os abraços apertados, as histórias antigas, as visitas das férias, os passeios de família…
Agora tudo o que sinto é SAUDADE.
Jamais esquecerei cada momento que vivemos juntos."

Autor: desconhecido.
_________________________________
_________________________________


A perda de um ente querido...

"A perda de um ente querido é a prova mais dolorosa que o Espírito enfrenta em sua breve passagem pela Terra. Como entender um fato que parece fechar todas as portas à esperança? Conviver sem a presença física de quem tanto estimamos?
Controlar a saudade dos mínimos gestos? Saudade essa que ao contrário do que dizem, parece aumentar com o tempo.
Como suportar a voz que se calou trazendo um terrível silêncio? E o que fazer para conter as lágrimas diante das fotografias de um passado que não retorna?
Manter a confiança torna-se tarefa complicada quando o futuro nos parece tão incerto.
Tudo a nossa volta parece sem sentido e penoso, falta coragem para os mínimos atos. Emoções se misturam, num instante a revolta, a descrença, a vontade de gritar sem parar e, em outro momento, reina a melancolia, o pranto, a vontade de desistir.
Desesperados queremos nos apoiar em algo, mas parece não haver remédio para nossa dor!
Como almejamos por notícias, por provas de que a vida prossegue, de que um dia o reencontro realmente ocorrerá, mas nossos apelos parecem em vão.
Por que tamanha dor que dilacera nossas almas e ceifou nossos sonhos? São as perguntas que continuamos a buscar.
E a cada manhã, travamos uma intensa luta para levantarmos e principalmente nos mantermos em pé.
O sofrimento é imenso,que fica complicado até para compartilhar, faltam palavras para expressá-lo.
Daríamos tudo por apenas um minuto na presença do ente querido, pela chance de encontrarmos o mesmo olhar, de acariciarmos a face e sentir novamente o seu calor.
De termos a certeza de que a vida continua, mas a nossa frente só escuridão… Onde há piedade divina?
Aqui, sempre! Porque são nessas horas que devemos buscar a presença de Jesus em nossas vidas e novamente ouvir a sua voz amorosa a nos confortar: "Vinde a Mim todos vós que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei".
Sim, será Jesus que segurará nossas mãos nesse momento tão complicado.Que com sua infinita bondade, enxugará nossas lágrimas, permitindo que nossos olhos enxerguem outros horizontes. Com sua misericórdia, aliviará nosso íntimo, acalmando a tempestade de sensações conflitantes em que nos encontramos mergulhados. É Jesus que nos devolverá a alegria de viver, comprovando-nos que a morte não existe, é apenas uma passagem.
Que o Espírito prossegue em sua evolução e ainda encontra-se em sintonia com nosso amor, sentimento que rompe qualquer fronteira.
Assim, quando a saudade parecer chegar ao seu limite, sufocando-nos, transformemos nossas vibrações amorosas no carinho que gostaríamos de fazer.
Se a face não pode mais ser tocada, o Espírito sempre poderá.
Se palavras não podem ser pronunciadas, a linguagem do amor permanece em qualquer tempo e local.
As lembranças vividas jamais se apagam, todavia, não façamos dessas, motivo de eterna tristeza. É a tristeza quando se prolonga que aumenta a distância, tornando-nos mais suscetíveis às influências negativas que impedem o auxílio divino de nos amparar e fortalecer.
Tristes e cabisbaixos rompemos com a fé, físico e espírito se abatem e, por mais que ouçamos falar da esperança, fica a sensação de que recomeçar é impossível.
Claro que lágrimas serão derramadas, jamais nos será pedido por Jesus que sufoquemos nossos sentimentos, porém, Ele nos estende suas mãos disposto a enxugar cada uma dessas lágrimas. A aliviar a tensão que carregamos no coração e tudo faz para que percebamos que a vida continua a se renovar, assim, permanece a nos convidar a vivê-la.
E é vivendo que amadurecemos, evoluímos espiritualmente, passamos a compreender tantas coisas e a descobrir novos valores.
É vivendo que vamos dia a dia encurtando a distância e nos preparando para o reencontro que um dia ocorrerá.
Assim, quando a melancolia bater a nossa porta e não tivermos forças para combatê-la novamente, busquemos Jesus, e Ele nos orientará.
Se for necessário nos carregará no colo, quantas vezes forem necessárias, nos envolverá com seu carinho e estará a velar nosso sonho.
Quantas noites mal dormidas… E quando buscamos abrir o coração e, através de uma singela prece nos ligar ao Alto, parece que nos acalmamos e nem que seja por minutos, a serenidade se apresenta ao nosso lado.
De fato, a oração sincera nos eleva acima das tempestades que desabam em nossa vida e, elevados espiritualmente, vamos ao encontro da espiritualidade maior que nos aguarda de braços abertos.
Companheiros espirituais que sempre nos protegem e aproveitam o repouso físico, para se aproximarem, e conosco dialogar, cooperando para o restabelecimento de nossas forças. Incentivam-nos a prosseguir, mostrando que conosco caminharão.
Ao acordarmos, sentimos uma nova atmosfera nos envolver, não sabemos como explicar, mas a paz adentra nosso ser.
É a paz de Jesus que sempre nos é oferecida!
E como mantê-la? Trazendo Jesus para a nossa vida!
Jesus é o consolo, o porto seguro, não foi em vão que declarou ser o Caminho, a Verdade e a Vida. E não há forma melhor de Jesus estar vivo em nossa existência, do que compartilhar o seu amor. O amor cobre a multidão de pecados, já nos disse o apóstolo. E podemos completar que o amor aquece, liberta, alegra, conforta, renova e alimenta a Vida. Amor, que se encontra nos gestos de fraternidade que realizamos.
Que cresce cada vez que somos capazes de sair do nosso sofrimento e enxergar a dor alheia.
Enxergar e também auxiliar.
Ah, quanto amor se derrama sobre nós num simples gesto… E os olhos físicos ainda não conseguem enxergar, mas quando praticamos a caridade, o amor, fica o sorriso estampado no local daquele que tanto estimamos.
Porque como já dito, o amor rompe toda e qualquer fronteira. E como diz a oração: Amando somos Amados, Consolando somos Consolados.
Toda vez que fizermos um gesto de amor em prol de um necessitado, estaremos beijando a face dos que nos antecederam nessa grande viagem.
O cultivo do amor será sempre o melhor tributo que podemos prestar aos que não mais se encontram fisicamente entre nós.
Compartilhemos o amor!
O amor nos erguerá das trevas, aproximando-nos de Jesus.
E com Jesus novamente, ouviremos o exército de benfeitores espirituais a proclamar: Não existe perda, não existe morte, o que chamais de destruição, não passa de transformação ( Livro dos Espíritos – Pergunta 728).
E fortalecidos seguiremos nossa jornada, conscientes de que Jesus prossegue a nos guiar, a nos mostrar que a morte significa chegar ao fim, e descobrir que o fim, em verdade, é apenas um novo recomeço.
E, recomeço com Jesus!
A esperança sobrevive!"

Autor: desconhecido.
________________________________
________________________________


Se eu for primeiro do que você...

"Se eu for primeiro do que você, não se esqueça de orar por mim alegremente. Não me visite na minha tumba porque eu não estarei lá.
Se eu for primeiro do que você e bater saudade, procure-me nas estrelas, nas pétalas de flores, no primeiro raio matutino e também no último.
Se sentir saudade de mim, veja-me borbulhando na água de uma nascente, ouça-me numa sinfonia de Mozart, numa valsa de Strauss ou em qualquer retreta, destas que ainda tocam nas praças.
Se eu for primeiro do que você, converse comigo como antes. Conte-me as suas alegrias, as suas mancadas, as suas piadas, as suas tristezas, reclinado no tronco de um jequitibá ou de qualquer outra árvore de copa ampla e bem verdinha, destas que dão sombra e ficam cheias de passarinhos.
Mas é certo que você também me encontrará nos flocos de nuvens, nos arco-íris e em especial, naquela gotinha espelhada e solitária pendente numa folha de arruda.
Se ouvir um solo de violão bem tocado, pense em mim. Se ouvir apitos de trem, pense em mim.
Se estiver dançando livre e leve em compasso ritmado como se o seu corpo e o ritmo fossem uma espécie de oração, pense em mim.
Se eu me for primeiro do que você, encontre-me numa sala de aula, porque eu jamais desistirei de aprender e de ouvir os ensinamentos de muitos mestres e mestras. Estarei também numa noite de luar, mas não em qualquer luar. Tem que ser um luar do sertão.
Pense em mim quando chegar dezembro e começarem as primeiras canções natalinas, quando estiver montando a árvore e colocando os presentes sob ela, quando os fogos coloridos espocarem no céu à meia noite.
Também estarei na brisa leve que acaricia seu rosto e, por que não naquela rajada mais forte que chacoalha o arvoredo antes da chuva, no perfume da chuva quando se mistura com a terra e na doce canção que acontece quando ela desliza mansinha pelo telhado.
E se você for primeiro do que eu, saiba que não chorarei no seu túmulo. Orarei por você do meu jeito, farei muitos poemas pensando em você, rirei de todas aquelas coisas que o faziam rir, falarei para você que estou com saudade e verei a sua “onipresença” em todas as coisas onde você costumava colocar a sua Alma, porque certamente é lá que você estará! Jamais estaremos separados.
Ainda que você esteja momentaneamente invisível aos meus olhos humanos, estará mais vivo e mais presente do que nunca em tudo aquilo que aqui na terra você amou, e na Eternidade, onde me esperará e me receberá com alegria quando eu puder ir ao seu encontro."

Autor: desconhecido.
______________________________
______________________________

Se eu morrer antes de você, faça-me um favor...

Se eu morrer antes de você, faça-me um favor. 
Chore o quanto quiser, mas não brigue com Deus por Ele haver me levado. 
Se não quiser chorar, não chore. 
Se não conseguir chorar, não se preocupe. 
Se tiver vontade de rir, ria.
Se alguns amigos contarem algum fato a meu respeito, ouça e acrescente sua versão. 
Se me elogiarem demais, corrija o exagero. 
Se me criticarem demais, defenda-me. 
Se me quiserem fazer um santo só porque morri, mostre que eu tinha um pouco de santo, mas estava longe de ser o santo que me pintam. 
Se me quiserem fazer um demônio, mostre que eu talvez tivesse um pouco de demônio, mas que a vida inteira eu tentei ser bom e amigo. 
Se falarem mais de mim do que de Jesus Cristo, chame a atenção deles.
Se sentir saudade e quiser falar comigo, fale com Jesus e eu ouvirei. Espero estar com Ele o suficiente para continuar sendo útil a você, lá onde estiver. 
E se tiver vontade de escrever alguma coisa sobre mim, diga apenas uma frase : 
- "Foi meu amigo, acreditou em mim, e me quis mais perto de Deus!"
Aí, então derrame uma lágrima. 
Eu não estarei presente para enxugá-la, mas não faz mal. Outros amigos farão isso no meu lugar. 
E, vendo-me bem substituído, irei cuidar de minha nova tarefa no céu. 
Mas, de vez em quando, dê uma espiadinha na direção de Deus. Você não me verá, mas eu ficaria muito feliz vendo você olhar para Ele. 
E, quando chegar a sua vez de ir para o Pai, aí, sem nenhum véu a separar a gente, vamos viver, em Deus, a amizade que aqui nos preparou para Ele.
Você acredita nessas coisas? 
Sim? Então ore para que nós dois vivamos como quem sabe que vai morrer um dia, e que morramos como quem soube viver direito. 
Amizade só faz sentido se traz o céu para mais perto da gente, e se inaugura aqui mesmo o seu começo. 
Eu não vou estranhar o céu. Sabe por quê? 
Porque ser seu amigo já é um pedaço dele!

Autor, Padre Zezinho.
_____________________________________
_____________________________________


Aviso aos amigos: As fotos aqui postadas são do meu arquivo; portanto, se a foto do seu ente querido já falecido não foi publicada é porque não a tenho, mas, se você quiser que ela seja inserida, por favor, é só enviá-la através do meu endereço de e-mail, a saber: marcospereira1706@gmail.com
___________________________
___________________________



"Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito para que todo aquele que Nele crê, não pereça, mas tenha vida eterna!" (João 3:16)
_______________________________
_______________________________

Grande Amor do Senhor

Lamentações de Jeremias 3:22-26

Graças ao grande amor do Senhor é que não somos consumidos, pois as suas misericórdias são inesgotáveis. Renovam-se cada manhã; grande é a sua fidelidade! Digo a mim mesmo: A minha porção é o Senhor; portanto, Nele porei a minha esperança. O Senhor é bom para com aqueles cuja esperança está Nele, para com aqueles que o buscam, é bom esperar tranquilo pela salvação do Senhor.
_________________________________________
_________________________________________
 

Todas as pessoas
que passam pelas nossas vidas
deixam as suas marcas
num ir e vir infinito.

As que permanecem...
é porque simplesmente
doaram seus corações para entrar
em sintonia com a nossas almas.

As que se vão...
nos deixam um grande aprendizado.
Não importa que tipo de atitude tiveram,
mas com elas aprendemos muito.

Com as vaidosas e orgulhosas aprendemos
que devemos ser humildes.
Com as carinhosas e atenciosas aprendemos
a ter gratidão.
Com as duras de coração aprendemos
a dar o perdão.

Com as pessoas que passam
pelas nossas vidas
aprendemos também a
Amar...
e de várias formas...
com amizade, com dedicação, com carinho,
com atenção, com atração,
com paixão ou com desejo...

Mas nunca ninguém nos ensinou
e nunca aprenderemos
como reagir diante da "SAUDADE"
que algumas pessoas deixam em nós...
__________________________________
__________________________________


Alaor Alonso
Alaor Silvério
Alaor Silvério
Wilson Silvério
Falecido em 12/02/2016
Aldo Silvério

Everaldo Silvério
Falecido em 17/06/2016
Orbela Silvério Salomão
Anor Pulsides e Zeca
Cândido Lopes de Araújo ('Seo' Candinho) e Natalina
R. Camargo de Araújo
Porthus Zanardi
Palmira Smaniotto Malucelli e Vicente Malucelli
















Domício Tozetto
+ 16/12/2015
Prof. José Daher - Nazir
*21/02/1928 + 27/11/2015

Augusta Camargo Meira






















Ornaldo Antunes de Oliveira
+ 19/04/2017

Edite De Bona

Ziza Marinho





















José Martins da Silva e
Augusto Petersen - Tito

Aurélio Abdnor

Sra. Madalena e Sr. Pedro Zanicoski
Verônica Baptistella Hunzicker,
mãe da professora Edma Luiza
Hunzicker Zanardi.
Falecida em 13.05.1969 - Morretes.

Carlos Gnatta - falecido: 29/11/2016

José Pulsides
Albanira Petersen

Aldo Silvério
Anor Petersen
Milton Robassa
Odinir Polydoro (Lolo)
Alceu Vieira Dos Santos
Joana Martins Nunes
Paulo Nunes
Roney Alves Da Silva
Edson Mocelin (Kiko)
Mauro Costa
João Foltran
Ivone Gonçalves






Berthinha Ivanoski
Edson Mocelin (Kiko) e Neide Petersen (falecidos em 1974)
Luiz Alfredo Malucelli - O Malu, nasceu em Morretes no dia 
20 de abril de 1934, faleceu no dia 23 de setembro de 2014, 
aos 80 anos de idade.
Henrique Marcos Fedalto - *29/09/2015
Santina Martins da Silva
 *25/09/2015
Olegário Pinto e Jacomina Stocco Pinto















Juracy Cordeiro

Jurandyr de Freitas






Marcos Luiz De Bona
Casal Pavanelli
Athayde da Silva Carvalho
Altiva Silvério

Anor Petersen - 1951
Honilson Fabris Madalozo - 04/08/1991
Aramys Zanardi - 13/02/2014
Aramys Zanardi


Miguel Salomão
+ 09/03/2016


Alaíde do Carmo Consentino

Pedro Zanicoski 


Antonio Carlos Porrua - Zico

Orestes Felis

João Scucato De Souza -  *20/07/2015
Família Malucelli
Luciano Robassa - Xaxo

falecido em 02/11/1988
Alceu de Ramos

Alcides Araújo
Alcídio Bortolin
Françoaldo Silvério
Aluizio Cherobim
Antoninho da Silva

Antoninho Pazinatto
Oscar Roberto Salomão Richter - 15/03/2014
Luciano da Silva
Luciano da Silva

Robert Richard Royer




R. Filho
Vera Lúcia Jazar Zanicoski
*1945 + 2015
Dulce Serôa da Motta 
Cherobim
Miguel Schimure
Guilherme Cherobim

Antoninho Pereira 
(pai de Marcos Pereira)
Antonio Carlos de Miranda

Antonio da Silva 

Sandro Guimarães
+12/04/2016


Antonio da Silva 















Nilson Justino
Antonio da Silva 



Antonio Carlos Vidal Pinto - Nico

Aramis Zanardi Júnior

Ari Guimarães
Eny Kossatz Hunzicker

Márcia Maria de Ramos Miranda

Jorge Roberto Scremin
+24/03/2017
Santina Martins da Silva


Beatriz Catarina Consentino
+05/04/2017

Edmundo Bridarolli - novembro/2016

Ari Guimarães
Arlindo de Castro 13
Arlindo de Castro
Arlindo Guerro
Arlindo Guerro


Aroldo Francisco de Souza

Aroldo Francisco de Souza
Athayde da Silva Carvalho
Augusto de Freitas
Luiz Henrique (pai de Euclides, Ivete, Evaldo e Elizeu)
Mário Taketosi Hirami
Homero
Felícia Freitas
Luiz "Gastão" Miranda
Ivonete Cordeiro De Freitas
José Pulsides

José Jonas Paraná Fagundes
Odilon Bonzatto
Augusto de Freitas
Augusto de Freitas
Edison Lopes de Oliveira.
Foi morreteano por muitos
anos.
Dona Siroba
Bedina Bittencourt
Benedito Antunes de Oliveira 
(Nhôzinho)
Benedito Roberto Ayrosa
Humberto Malucelli
Benjamin Malucelli
Miguel Maceno
Oskilde Marcos Malucelli
Benjamin Henrique
Eutália e Olindo Malucelli
Desauda Bosco Da Costa Pinto
Bequinha (mãe do Benjamin e da Belinha)











Dilclea Maria da Silva
Marta Lamim do Carmo
Professora Desauda Bosco

Enfermeiro Bieto
Enfermeiro Bieto
Ivando Scremim

Bizoca Miranda
Hélio Silva - Bolinha
Aquino Bornancin
Nelson Buião
Carlito Buffara
Celso Luís Bornancin

Cesinha
Cesinha
Cezar Alpendre
Cícero Consentino
Cícero Consentino
Edgar
Ewaldo Zilli
Lamartine

Pedro Alves
Odilê Conforto
Nilton R. Da Silva
Nilton R. Da Silva - 19 de dezembro de 2013




Eduardo Hunzicker Neto - Dadinho
Eduardo Hunzicker Neto - Dadinho
Dagoberto Ribeiro
Eduardo Hunzicker Neto 
Dadinho
Helmosa Salomão Richter
Dagoberto Ribeiro





Dival Cardozo
Domingos Meira
Edi Malucelli
 Aidê, Cecília e Rosa

Royer - Guy Francês
Ewaldo Zilli
Ewaldo Zilli
Farid Daher
Germano dos Santos
Francisco Reis de Freitas
Genor Cesário da Silva
Germano dos Santos






Giocondo Dall' Stella
Guelzer Gomes
Gazito

Hamilton Ferreira Lopes
Hamilton Triaquim


Henrique Terbeck


Henrique Terbeck

Horácio Luiz Pinto

Hostílio de Freitas (terno branco)
Humberto Malucelli

Ignês Menin Malucelli
Iracema Bittencourt





Irmãos Malucelli - Leonel, Domingos, Batista, Vicente, Olindo e Narciso
João Gualdezi e Alaor Silvério
João Carlos Nicolau
João Carlos Nicolau

Ivando Scremim


Joacir Alves
Joaquim França
João Lourenço Ayrosa - Joanito
José Bassani da Silva 
Zezinho

José da Luz Ferreira, Oallace Costa e 
Zdzlau Duczack (Dida)
José Roberto de Azevedo
Jazar
Helena Catarina

Renato Luiz Bolson
José Francisco da Rocha Pombo 

João Nicolau - João Grande
João Nicolau - João Grande
João Turin

Oniwaldo Antonio Pinto
Nely Souza Pinto
Oniwaldo Antonio Pinto
Naborandir Rios, carinhosamente conhecida como dona Doca
José Lourenço Malucelli - Juca
Julith Salomão
Lauro Ferreira Lopes

Lori Alpendre
Lauro Ferreira Lopes
Lauro Ferreira Lopes
Letícia Malucelli Hunzicker
Lourenço Euclides Malucelli
Alfredo Augusto Malucelli
Casal Petersen
Soraya
Vitório Robassa - 22/09/1922-04/11/2014.

Foed Saliba Smaka

Alfredo Augusto Malucelli

Alfredo Augusto Malucelli
Giuseppe Nicastro
Lourenço E. Malucelli e Marcos Triaquim Malucelli
Lourenço Euclides Malucelli

Luiza Scucato Malucelli
Lourival da Silva 
Santos - Lule
Luís Felipe da Silva
Léo Villa Nova Hunzicker
Madalena Malucelli Antunes de Oliveira


Manoel Azevedo da Silveira Neto
Marco Antônio Manosso (homenagem ao meu 
primo). 

Marcos Ayrosa
Sebastiana Bergamini e Horácio Luiz Pinto
Marcos Ayrosa
Marcos Ayrosa e Benedito Roberto Ayrosa
Luís Carlos Nunes - falecido em 16/09/2014


Luís Carlos Nunes - falecido em 16/09/2014 
Gilberto Rolando Malucelli 













Odilon Bonzatto
Gilberto Rolando Malucelli





Augusto Petersen - Tito
Hélio Silva - Bolinha
Odilon Bonzatto
Marcos Triaquim Malucelli
Marcos Triaquim Malucelli

Marcos Triaquim Malucelli
Marcy Alves Pinto
Iracema Bittencourt
Sebastião Dias Filho

Cabo Orestes Felis

Guilherme Silvério Neto e Altiva Pazinatti Silvério
Palmira e Vicente Malucelli

Professor Genor 

Marte, Lamartine e Horácio Pinto

Maria Carmela Sentone da Motta e Francisco Serôa 
da Motta Sobrinho














Luiza Triaquim Malucelli 
(minha bisavó)
Maria Malucelli 
Ayrosa (Biudes)
Mariquinha (minha tia)
Máximo Salomão

Orbela Silvério Salomão
João Salomão
Vitor Maciel
Luiz Dilson Pinto
Luiz Dilson Pinto

João Martins




Maurício Alpendre Daher
Mercolino Campolino da Silva
Moacir França - Cilo

Royer Guy Francês e Luizito Wicthoffet
Luizito Wicthoffet
Luizito Wicthoffet
Gilson De Ramos e Luiz Ângelo Liporini
Sebastião Cavagnolli e Horácio Luiz Pinto

Maria Cherobim Porsides e Matteo Porsides
Xandoca Bittencourt
Ítalo Rui Ivanoski


Narcizo Malucelli
Nena Malucelli Trombini
Nena Malucelli Trombini
Francisco Almeida Furquim (Nene)
Nilton de Jesus Mendes
Nilton de Jesus Mendes
Odite Salomão Maciel

Vitor Maciel

Odivar Pinto
Eloi Martins (dudu) e 
Edson Mocelin (kiko)
Os irmãos: Edgar e Ronaldo Mocelin


Odivar Pinto
Odivar Pinto e Sebastião Cavagnolli
Odivar Pinto
Olimpio Malucelli
Olindo Malucelli
Olympio Trombini
Palmira Smaniotto Malucelli
Paulo Sérgio Klingelfus
Ivo Pazinatto
Pedro Alves Baraúna
Pedro Zanicoski

Polidoro De Bona



Edgar Mocelin e Ronaldo Mocelin 


Edson Mocelin


 Irmãos Mocelin - Edgar - Ronaldo - Edson

Oniwaldo Antonio Pinto

Sérgio Cagni

Polônia Kopczynski

Roberto França
Roberto Robassa (Tito)

Aline França Sundin

Rogério França Sundin
Rogério França Sundin

Romeu Manosso
Santos De Bona
Sebastião Cavagnolli
Sebastião Cavagnolli
Sebastião Cavagnolli, Sidney Antunes de Oliveira e Alcídio Bortolin
Sebastião Cavagnolli
Sidney Antunes de Oliveira
Sidney Antunes de Oliveira
Sinibaldo Trombini 
Suely Maria Ayrosa

Suely Maria Ayrosa
Suely Maria Ayrosa
Tereza de Oliveira Malucelli - esposa de Marcos Triaquim Malucelli 
(avó de Marcos Pereira)
Tuta Petersen
Tuta Petersen
Ari Coelho

Tita Veloso

 Rosa

Theodoro De Bona

Oneri Pinto - Ticão 
Oneri Pinto - Ticão
Tito Petersen

Valentin Robassa
Valentin Robassa

Aroldo De Bona Júnior - Aroldinho
Aroldo De Bona Júnior -Aroldinho
12/11/2013

Valmir Alves da Silva

José Alves da Silva Filho
(Zeco)

Valmir Alves da Silva 
(baianinho)
11/11/2013

Walter Alves da Silva

Zdzlau Duczack - Dida
Padre Walter

Zuleica Triachini Codagnone 



















Délia Carvalho Gualdezi

Zélia Vizine Pessoa
Elias Agrimpe 
Silvio Pereira do Nascimento - Tuca









































João Batista Robassa

João Miranda

Leoni Triaquim

Augusto Petersen - Tito
__________________________
__________________________




- A única coisa tão inevitável quanto a morte é a vida. 

(Charles Chaplin)


- Onde a vida existe, a morte é inevitável. 

- Morrer é fácil, viver é que é difícil. 

- Quanto mais dura a vida se torna, mais forte é a vontade de viver. 

- E quanto maior o medo da morte, maior a luta para continuar a viver. 
(Mo Yan)
__________________________
__________________________




Dá-lhes, Senhor, o repouso na paz dos justos!
"Vou para o Pai, mas não esquecerei aqueles que amei na terra..."
Descansem em Paz! 
Amém!

DEUS SEJA LOUVADO!
____________________________
_________________________
____________________

6 comentários:

  1. É bom a gente lembrar de pessoas que a gente conheceu. Vizinhos, conhecidas, professores. Morei pouco tempo em Morretes mas meu irmão Percival Rosa, minha cunhada Irene e meus sobrinhos Percival Tadeu e Noel Rosa curtiram muito sua terra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Alceu, como sempre, é gratificante receber os seus comentários.
      Muito obrigado!
      Abraços!

      Excluir
  2. Quantos amigos e conhecidos. Meus avós. Muitos nasceram e se foram depois que tive que vir embora. Muitas lembranças. Abraços,, Marcos.

    ResponderExcluir
  3. Mauro, boa noite! Na medida do possível, vou inserindo mais imagens, desde que, parentes e amigos me enviem as fotos de seus entes queridos já falecidos. Obrigado pela visita. Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Ao rever essa pessoas que se foram, voltaram na memória as lembranças dos 31 anos em que vivi aí em Morretes...lembranças tão maravilhosas da nossa terra e de momentos que eu passei...da minha infância, das brincadeiras...da Escola primária, ginásio e comercial...do primeiro emprego...da primeira namorada....do casamento, dos filhos que nasceram aí em Morretes....obrigado pela homenagem aos meus pais e irmão...vi primos, tios e amigos e vizinhos....patrão. médicos, enfim pessoas com quem convivi.....Já estou 29 anos longe de Morretes, mas sempre que posso dou um pulinho até aí pra rever familiares e amigos...muito obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sérgio, boa tarde! Muito obrigado pela sua visita. Abraços!

      Excluir

Por favor, sua opinião é muito importante para mim, deixe um breve comentário sobre o assunto aqui postado e faça sua avaliação através de críticas construtivas. Aceito sugestões, desde que sejam convenientes e satisfatórias. Obrigado!